Seja bem vindo! O Pinguim é o seu anfitrião!

Aqui você encontra aulas de música, crônicas do dia a dia e a tira Mondo Penguim. Utilize a seção "Marcadores" ao lado para ir direto ao que lhe interessa.

E fique à vontade! A casa é sua!

sábado, 30 de maio de 2009

Folha ao Vento

Meu chefe (lá na empresa onde trabalho) me designou para fazer uma entrevista com estagiários. Tudo gente nova entre 16 e 18 anos. Eram 10 estagiários e apenas quatro deles seriam aproveitados. Havia uma moça do RH que fazia as perguntas e eu e mais dois caras ouvíamos as respostas de cada aspirante. Nossa função era identificar aqueles que tinham perfil para estagiar em nossa área de trabalho.

Bom, nada do que eu escrevi acima é muito importante. Tudo seria rotina se não fosse uma coisa que aconteceu no meio da entrevista.

Uma das perguntas que a moça do RH fez para eles foi:”Que oportunidade vocês perderam na vida que agora se arrependem e consideram que seria muito importante não ter perdido?”

A maioria deles respondeu sobre um curso que não fizeram, um emprego que deixaram para trás ou um conselho que não souberam ouvir. Só uma pessoa respondeu algo diferente quando chegou a vez dela. E foi isso que me impressionou profundamente.

Ela abaixou um pouco a cabeça, de modo que os cabelos ficaram sobre sua face cobrindo-a com sombras. Então, com voz hesitante e pequena ela disse: “Não sou o tipo de pessoa que se sente à vontade para demonstrar meus sentimentos. Por isso, quando meu pai morreu eu me arrependi de não poder dizer a ele o quanto eu o amava. Essa foi a maior oportunidade que eu perdi na vida.” E ali, com a cabeça baixa e o rosto coberto de fios de cabelo e sombras ela permaneceu até que a próxima pergunta fosse feita.

De alguma forma eu senti a enorme angústia que se escondia no coração daquela pessoa. Eu queria poder dizer alguma coisa a ela, tentar ajudar de alguma forma, mas não podia. Eu sabia que ela precisava de ajuda, de uma palavra amiga, de um conselho, mas as circunstâncias não eram adequadas. Quando a entrevista acabou os estagiários simplesmente saíram e eu nunca mais a vi.

Ainda fiquei pensando naquilo um tempão... Pensando que deve haver um monte de gente como ela, ao nosso redor, ao nosso lado, sentindo angústia, querendo falar alguma coisa, querendo ouvir alguma coisa. Talvez se sentindo só, mesmo no meio de um monte de gente. E a gente nem percebe...

Essas pessoas são "como folha no vento esperando o momento de cair..."

E a gente continua sem perceber...

Um comentário:

willdma disse...

lELÊ

Amo vc do fundo do meu coração.. Vc é especial em minha vida.....
Wildma